Novo Concurso TJ-SP 2018 – Previsão de Vagas para Notário de Cartórios


  

Fundação Vunesp será a organizadora do Concurso. Edital deverá ser publicado em breve.

Quem está estudando para concurso em busca de uma oportunidade de trabalho e de uma boa remuneração, pode conferir aqui uma ótima notícia.

No estado de São Paulo, o Tribunal de Justiça (TJ SP) anuncia que fará em breve o lançamento do edital para o seu próximo concurso, que tem como objetivo ocupar vagas para cargo de nível superior ou que comprove anos de experiência em cartório.

Confira mais informações a seguir:

Oportunidade

O processo seletivo será para preenchimento de vagas do cargo de notário de cartórios.

Para concorrer é necessário ter escolaridade de nível superior, sendo bacharel em Direito ou possuir 10 anos de vivência em serviços notariais ou de registro.

Esse será o 11º concurso para outorga de delegações de notas e de registro do estado de São Paulo.

Veja outros requisitos: estar em pleno gozo dos direitos políticos e civis, ter nacionalidade brasileira, ter aptidão física e mental, não ter antecedentes criminais e estar quite com as obrigações militares, se for do sexo masculino.

A seleção já teve autorização pelo presidente do TJ SP, publicada no diário da justiça eletrônico, desde o mês de agosto. Com isso, há expectativa de que logo seja publicado o edital do certame.

A banca responsável pela organização do processo seletivo já foi escolhida e será a Fundação para o Vestibular da Unesp, também conhecida como Fundação Vunesp, com quem o órgão possui contrato para realizar seus processos seletivos até o ano de 2018.

A remuneração para quem iniciar na carreira será variável, sendo referente a obtenção dos lucros dos serviços prestados na unidade cartorial, debitando impostos e taxas relativas ao governo estadual.

Última Seleção

O último processo seletivo para esse cargo ocorreu no ano de 2016. Naquela ocasião, foram ofertadas 145 vagas, sendo 50 para remoção de quem já estava em exercício da atividade, mas que tinha interesse de mudar de comarca do estado e 95 para ingresso.




A taxa de inscrição custou R$ 181.

Naquele certame, os candidatos foram avaliados em 5 etapas, a saber: 1) Prova Objetiva, 2) Prova Escrita, 3) Prova Prática, 4) Prova Oral e 5) Avaliação de Títulos.

A prova de múltipla escolha foi de caráter eliminatório e o exame de títulos, classificatório. As demais fases são de caráter eliminatório e classificatório.

As disciplinas cobradas foram: português, direito processual penal, direito administrativo, registros públicos e notarial, direito tributário, constitucional, direito comercial, penal, civil, processual penal, processual civil e conhecimentos gerais.

Na avaliação oral foi permitido aos candidatos consultarem textos das legislações, mas apenas durante a arguição.

Os títulos considerados para pontuação foram: exercício da advocacia, com registro ativo na ordem dos advogados do Brasil (OAB) ou de delegação com certidão expedida pelo Setor de Recursos Humanos; exercício de serviço notarial; exercício do Magistério Superior na área jurídica por no mínimo 5 anos; diplomas em Cursos de Pós-Graduação, podendo ser mestrado, doutorado ou especialização em Direito; exercício das atribuições de conciliador voluntário; ter prestado serviço junto à justiça eleitoral.

Assim como em 2012 e em 2016, espera-se que o certame também inclua vagas para remoção, além de novos ingressos. Para se candidatar ao concurso de remoção, é necessário ser titular de delegação no estado há, no mínimo, 2 anos.

As comarcas disponíveis para remoção foram: Capital, Jundiaí, Botucatu, Taquarituba, Jacupiranga, Mirandópolis, Cananéia, Espírito Santo do Pinhal, Rosana, São Bernardo do Campo, Cerqueira César, Iguape, Suzano, Marília, Olímpia, Tanabi, Valparaíso, Pirassununga, Queluz, Pedreira, entre outras.

O concurso, que ocorreu no ano de 2012, também foi realizado pela Fundação Vunesp. Há expectativa de que esse próximo processo seletivo seja realizado em moldes semelhantes aos dois últimos.

Melisse V.


Deixe seu comentário